Independência dependente de alguém

Olá, pessoa linda! Tudo bom, por aí? Espero que sim! Mas, se não tiver, já sabe, né? Puxa a cadeira que lá vem história (e quem sabe você se diverte um pouco por aqui?)

Continuo com meu bom humor setembrino e distribuindo sorrisos para quem passa ou quase isso ! hihihihi !

E por falar em humor setembrino, não poderia deixar de falar de independência (mesmo decepcionada com o 07 de setembro caindo num domingo).

Pode parecer (e talvez realmente seja) muito contraditório o que vou dizer, mas nunca almejei uma independência que não significasse depender de alguém. Talvez porque não consigo associar independência à  liberdade. Dessa daí eu realmente não abro mão e não acredito que que uma seja condição sine qua non da outra.

Na minha opinião, sempre somos dependentes. Financeiramente, dos pais durante muitos anos (e no meu caso, fui dependente de pai, mãe e madrinha hihihih); profissionalmente, de nossa formação, chefes, clientes; sentimentalmente, de marido, filhos, amigos, irmãos… Pra mim, só se é independente até certo ponto!

E eu realmente não acho isso uma coisa ruim. Muito pelo contrário. Imagina se eu tivesse que carregar todo o peso do mundo sobre meus ombros???? Deus me livre.

Lembro que na época da faculdade, era muito mal interpretada por dizer categoricamente que, se preciso fosse, depois de casar, eu ficaria em casa e seria mantida financeiramente por meu marido sem nenhum problema. E o argumento mais comum que ouvia era o de que eu não teria liberdade caso dependesse de alguém financeiramente.

Como estavam enganados!

Não sei qual o tipo de marido que as pessoas andam convivendo por aí, mas o meu nunca tolheu minha liberdade por (uma dessas ironias do destino) estar exatamente me mantendo como previ na faculdade.

Sim, eu dependo financeiramente dele, mas isso lhe dar a liberdade de depender de mim também. Quantas e quantas vezes já o ouvi dizer que depende dos meus empurrões, das minhas opiniões acadêmicas, das minhas revisões em seus artigos e, por que não, de minhas habilidades culinárias, de meus trabalhos domésticos, de minha administração do nosso orçamento, das minhas orações?

Eu, Dora e nossa tal liberdade
Eu, Dora e nossa tal liberdade

E por mais que muita gente queira me convencer de que isso acaba com minha liberdade. Já vou logo avisando: eu sempre tenho tempo de ir à academia, sempre tenho meu horário de estudar inglês, sempre dou minhas pedalas aos sábados (com Dora), sempre patino aos domingos (cazamigas), sempre escolho as roupas que vou comprar e usar, sempre escolho e programo nossas viagens, e sempre tenho a opção de acordar de ovo virado e dizer: não arrumo a casa hoje, não lavo prato e vamos comer fora porque hoje, nem gelo eu faço!!!! hihihihi! Se isso não é liberdade, eu realmente não sei o que é!!!

Para além dessa dependência financeira, tenho de assinar também que sou extremamente dependente emocionalmente das pessoas com as quais me importo.

Se Dora está tristinha, fico tristinha. Se minha mãe está de mal humor, fico de mal humor. Se minha avó está com dor,fico arrasada. Se meu marido está preocupado,fico uma pilha! Mas se Dora dá um pulinho quando chego em casa, meu ânimo se renova. Se minha mãe me chama para almoçar, eu saio pulando de casa. Se minha avó sorrir pra mim, eu ganho meu dia. Se meu marido me dá um beijo apaixonado, meu coração acelera.

Tantos sentimentos, tantas emoções. Todos condicionados, todos dependentes dos sentimentos e emoções de outros!

Então, volto a dizer. Nunca almejei uma independência que não significasse depender de alguém, simplesmente porque eu preciso e gosto de precisar de outras pessoas para ser feliz!

Esse é um post que faz parte da blogagem coletiva do Rotaroots, que é um grupo de blogueiros saudosistas que resgata aquela antiga paixão dos diários virtuais. Quer participar? Então faça parte do nosso grupo no Facebook e inscreva-se no Rotation.

Mas isso é minha visão de independência. Qual a sua? Conta pra mim!

Beijinhos e até!

 

21 comentários em “Independência dependente de alguém

  • 04/09/2014 em 10:15
    Permalink

    Helena, temos alguns pensamentos em comum quando à independência dependente… Dependo totalmente emocionalmente dos meus pais e até mesmo do meu noivo e da minha cachorrinha, e isso não me torna menor.
    Acho que amamos demais e não nos vemos com essa independência toda que tantos almejam, se não estivermos acompanhadas de quem amamos… Qual seria a graça afinal de contas né?
    Adorei, beijos.

    Resposta
    • 04/09/2014 em 11:19
      Permalink

      Ah, Evelin, que bom que encontrar quem pensa como eu 🙂
      Acho que é exatamente isso: amamos demais kkk!

      Beijinhos e volte sempre!

      Resposta
  • 04/09/2014 em 11:18
    Permalink

    Você tem razão quando diz que sempre seremos dependentes de alguém, principalmente sentimentalmente falando. Quem não é, tem algum distúrbio psicológico xDD
    Adorei o post, faz a gente ver as coisas por um lado diferente 🙂

    Beijos!

    Resposta
    • 04/09/2014 em 11:30
      Permalink

      Concordo plenamente. Quem é totalmente independente deve ter algum distúrbio kkkk! Ou, no mínimo, é muito infeliz! kkkkkk

      Beijinhos e até!

      Resposta
  • 06/09/2014 em 21:57
    Permalink

    Concordo com tudo o que disse. Sobre ser dependente do marido, meu sonho acabar uma hora dessas, sendo dependente do meu, hahahaha! Juro que não me importo e torço pelo sucesso financeiro dele, que me permitirá isso, rs….

    Adorei o post!

    Beijooo!

    Resposta
    • 06/09/2014 em 22:22
      Permalink

      hihihI!

      Pois é, o sucesso financeiro de nossos maridos é nosso sucesso também!!!

      Volte sempre, beijinhos e até!

      Resposta
  • 08/09/2014 em 10:06
    Permalink

    Adorei! Tentei escrever ontem sobre “independência”, mas a verdade é que nunca seremos uma “ilha” a vagar por aí. Nunca estamos totalmente sozinhos pra nada. 😉

    Resposta
    • 08/09/2014 em 16:12
      Permalink

      Pois é! E como disse no post: “Deus me livre” de ser esta ilha kkkkk!

      Adoro a ideia de não ter que resolver tudo sozinha!!

      🙂

      Beijinhos e até!

      Resposta
  • 08/09/2014 em 13:35
    Permalink

    E não é que eu adorei sua visão de independência? Acho sensacional que você não só tenha essa visão, como se apega a ela e é feliz assim.

    ISSO é o mais importante.

    Adorei por ter me feito pensar também.

    😀

    Resposta
    • 08/09/2014 em 16:10
      Permalink

      Não falei que a beleza das blogagens coletivas era essa de conhecer outros pontos de vista? hihihihih!

      No fim das contas, acabamos até gostando de ler algo tão diferente de nós!

      😉

      Resposta
  • 08/09/2014 em 21:38
    Permalink

    Adorei seu post, porque com essa história de ser independente a gente esquece que às vezes depender dos outros é bom. E acho que só porque você é dependente do seu marido não significa que você não seja feliz ou goste de ser assim. Depende muita de cada pessoa e nem todo mundo é igual, o importante é sabermos respeitar o que cada um escolhe pra si.

    Beijo!

    Resposta
  • 09/09/2014 em 22:38
    Permalink

    Taí algo que é MUITO, mas MUITO diferente da minha realidade, rs. Acho muito legal conhecer novos pontos de vista e novas vivências também.

    Vou te contar um pouquinho da minha história: Meus pais se separara qdo eu era muito nova e minha mãe abriu mão do trabalho para ficar com meu pai que, como engenheiro da andrade gutierrez, vivia se mudando – isso impedia minha mãe de trabalhar/construir carreira.
    E bom, meus pais se separara e minha mãe ficou com uma mão na frente e outra atrás. Ela ficou com a casa e com a maior parte dos bens porque ele trabalhava, então ele que conseguisse mais, mas e pra ela se virar depois? Comeu o pão que o diabo amassou. Quem ia dar emprego a uma pessoa mais velha, formada a mais de 10 anos e sem nenhuma experiência, e quanto seria o salário dela?

    Então resumindo bem a obra, uma coisa que minha mãe me ensina desde pequena: Filha, a sua independência financeira é a sua liberdade. E lição nenhuma na vida nunca será maior do que essa. Nós não sabemos o dia de amanhã, e até quando vamos ficar dependendo de outras pessoas?

    Enfim, não é uma crítica nem nada, apenas tô te contando um pouquinho de minha vida. Acho lindo ver você tão feliz e ter uma vida tão leve. E espero que dure pra sempre <3

    Resposta
    • 13/09/2014 em 09:35
      Permalink

      Temos realidades muito diferentes mesmo rsrsrs!

      Também sou filha de pais separados, mas meu pai continuou sem nos deixar faltar absolutamente nada. Mãinha nunca se viu “com uma mão na frente, outra atrás”

      E não se preocupe, não encarei como uma crítica! São verdades diferentes.

      Beijinhos e até!

      Resposta
  • 11/09/2014 em 11:55
    Permalink

    Nunca tinha pensado sobre independência do seu ponto de vista, foi algo bem interessante de se pensar e refletir sobre, parabéns.

    Resposta
  • 11/09/2014 em 13:21
    Permalink

    Olá, adorei seu post, concordo com você em tudo, acho que não dá pra ser 100% independente, eu, por exemplo, sou dependente de remédios, terapeutas e das pessoas que convivem comigo por causa das minhas doenças, mas nem por isso deixo de me sentir com sorte e feliz por ter tanto apoio ao meu lado. Acho que o essencial é você se sentir feliz!!! Beijos

    Resposta
    • 13/09/2014 em 09:38
      Permalink

      Pois é, Michele! De maneiras diferentes, acredito que sempre dependemos de alguém!

      Volte sempre, beijinhos e até!

      Resposta
  • 14/09/2014 em 18:00
    Permalink

    Eu acredito que dentro do que podemos chamar “neofeminismo” cabe a mulher a escolha de querer sair do privado (casa) e conquistar o público (trabalhar fora). Como eu disse, cabe a escolha e optar por uma ou outra ou querer as duas não te faz mais ou menos mulher. Não te faz moderna ou antiquada. Nenhuma mulher foi feita para rótulos. Eu sempre fui de trabalhar fora e não me vejo como dona de casa, não sei cozinhar, passar ou lavar roupa e não acho que isso me faça menos mulher. Acho que ter esse direito de escolher, como no seu caso, cuidar da sua casa e do seu esposo é sim liberdade. Ninguém te forçou a isso é sua escolha, sua forma de ser livre. Beijos e carinhos, fica com Deus

    Resposta
    • 15/09/2014 em 00:37
      Permalink

      Exatamente, Si!!! 🙂 🙂 🙂
      Eu escolhi assim e isso é liberdade!

      Beijinhos!!!!

      Resposta
  • 15/09/2014 em 00:05
    Permalink

    Ótimo texto. Eu nunca havia parado para pensar nessa diferença entre independência e liberdade. Somos sempre dependentes de algo ou alguém, por mais que neguemos. Não temos uma independência completa e, como você disse, nem poderíamos ter, afinal, como carregar todo o peso do mundo em nossos ombros e nunca contar com o auxílio e o suporte de alguém? Dependemos de uma forma ou de outra das outras pessoas. E não há nada de mal nisso. Parabéns mais uma vez, to curtindo seu blog 😉

    http://sonhos-empoeirados.blogspot.com.br/

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *