A delícia dos nossos próprios defeitos

Sou completamente recheada pelos mais diversos tipos de defeitos, mas, graças a Deus, isso não me tira o direito de olhar defeitos alheios e de sair do sério com alguns deles. E se pudesse eleger algo que realmente me enlouquece é conviver com alguém “mais ou menos”. Sabe aquele tipo que “qualquer coisa serve”???? ODEIO!!!!!

Não suporto indiferenças! Por favor, me ame, mas se não conseguir me amar, me deteste, tenha raiva de mim, sinta vontade de me dar um murro (só vontade, #peloamor hihihi)… qualquer coisa, menos o “tanto faz”!!!

Lembro que na época da escola, a nota que mais me incomodava era o sete. Eu me auto zoava com notas baixas,  forçava-me a ser a melhor da turma nas próximas provas, virava expert na matéria… Com as notas altas eu super barganhava passeios com meus pais, ganhava o privilégio de dormir mais tarde nos fins de semana, podia brincar na rua (sim, fui criança dos anos 80 e morava no subúrbio, onde criança brincava na rua  )… Mas o que eu faria com o famigerado sete? Se minha mãe já dizia que dez não era mais que obrigação, o que danado eu faria com sete, meu Deus?

Com o tempo, nada mudou e eu continuo fazendo algo com todas as forças que possuo, ou não fazendo de jeito nenhum. Comigo, tudo acaba sendo muito intenso. TUDO. A felicidade sempre transborda em gargalhadas altíssimas (escandalosas e deselegantes, confesso); e, de igual modo, quando estou triste, choro até os olhos ficarem roxos e inchados (fico praticamente inválida)!

E com as amizades???? Sou perigosa hihihi!!! Sabe aquela máxima: “Meus amigos não têm defeitos; meus inimigos, se não têm, eu invento” ? :O  Pois é #SouDessas! Ou amo muito e intensamente, ou odeio!

Se eu acho que esse é melhor jeito de se viver? Claro que não!!!! Os defeitos alheios me tiram do sério, mas os meus praticamente me furtam a sanidade mental!

É óbvio que eu sei que, em muitas situações, o meio termo é a posição mais acertada. Tenho plena consciência de que o equilíbrio faria muito bem a meus rins, meu fígado e meu estômago. E que ser alguém mais centrada, tornaria minha vida mais tranquila; mas comecei esse post da forma mais acertada: “sou completamente recheada pelos mais diversos tipos de defeitos“! Não saberia ser de outro jeito. Ao menos não por ora.

E repito: por favor, me ame. Até porque as outras opções que eu listei lá em cima não são nada agradáveis! 😛

E sinta-se à vontade para compartilhar seus defeitos comigo, ou meter o dedo nos defeitos alheios! Eu juro que vou amaaaaar ler o que você tem a me dizer!

Beijinhos e até!

4 comentários em “A delícia dos nossos próprios defeitos

  • 12/07/2016 em 02:32
    Permalink

    OI MENINA

    assim como você, também acho um saco quem fica em cima do muro. Gosto de 8 ou 80 mesmo, amar ou odiar e por aí vai…
    Acho que posicionar-se está intrínseco a atitude e personalidade e essas são coisas que admiro.
    Já curti vir aqui *-*

    beeeijo
    beinghellz.com

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *